Segunda-feira, 11 de Maio de 2009

"Os seus olhos começaram a brilhar. Sabia que ele estava a vencer todas aquelas barreiras.

Então, soltei uma das mãos, peguei num copo e coloquei-o na borda da mesa.

 

- Vai cair - disse ele.

- Exacto. Quero que tu o derrubes.

- Partir um copo?

 

Sim, partir um copo. Um gesto aparentemente simples, mas que envolvia pavores que nunca chegaremos a perceber. O que há de errado em partir um copo barato - quando todos nós já o fizemos, sem querer, pelo menos uma vez na vida?

 

- Partir um copo? - repetiu ele. - Porquê?

- Posso dar algumas explicações - respondi. - Mas, na verdade, é apenas por partir.

- Por ti?

- Claro que não.

 

Ele olhava para o copo de vidro na borda da mesa - preocupado com que caísse.

"É um ritual de passagem, como tu mesmo dizes", tive vontade de dizer. "É o proibido. Copos não se partem de propósito. Quando entramos em restaurantes ou nas nossas casas, temos cuidado para que os copos não fiquem na borda das coisas. O nosso universo exige que tomemos cuidado para que os copos não caiam no chão."

No entanto, continuei a pensar, quando os partimos, sem querer, vemos que não foi tão grave assim. O empregado diz "não tem importância" e nunca na minha vida vi os copos partidos serem incluídos na conta de um restaurante. Partir copos faz parte da vida e não causamos nenhuma dano a nós próprios, ao restaurante, ou ao próximo.

Eu dei um empurrão à mesa. O copo balançou, mas não caiu.

 

- Cuidado! - disse ele instintivamente.

- Parte o copo - insisti eu.

 

Parte o copo, pensava comigo mesma, porque é um gesto simbólico. Procura entender que eu parti dentro de mim coisas muito mais importantes que um copo e estou feliz por isso. Olha para a tua própria luta interior e parte esse copo.

Porque, os nossos pais, ensinaram-nos a ter cuidado com os copos e com os corpos. Ensinaram-nos que as paixões de infância são impossíveis, que não devemos afastar homens do sacerdócio, que as pessoas não fazem milagres e que ninguém vai em viagem sem saber para onde vai.

Parte esse copo, por favor - e liberta-nos de todos esses malditos conceitos, essa mania que se tem em explicar tudo e só fazer aquilo que os outros aprovam.

 

- Parte esse copo - pedi mais uma vez.

 

Ele fixou os seus olhos nos meus. Depois, devagar, deslizou a sua mão pelo tampo da mesa, até tocá-lo. Num movimento rápido, empurrou-o para o chão.

O barulho do vidro a quebrar-se chamou a atenção de todos. Ao invés de disfarçar o gesto com algum pedido de desculpas, ele olhava-me a sorrir - e eu sorria para ele."

 

Na Margem Do Rio Piedra Eu Sentei E Chorei, Paulo Coelho

 

Gabirel - Lamb

 

I can fly
But I want his wings
I can shine even in the darkness
But I crave the light that he brings
Revel in the songs that he sings
My angel gabriel

I can love
But I need his heart
I am strong even on my own
But from him I never want to part
He's been there since the very start
My angel gabriel
My angel gabriel

Bless the day he came to be
Angel's wings carried him to me
Heavenly


I can fly
But I want his wings
I can shine even in the darkness
But I crave the light that he brings
Revel in the songs that he sings
My angel gabriel
My angel gabriel
My angel gabriel


música gabriel - lamb

publicado por mafalda às 10:44 | link do post | comentar

16 comentários:
De Ninita a 11 de Maio de 2009 às 10:53
Bom dia mafaldinha...

Já li esse livro á uns bons anos, e não m lembrava desta passagem... mas gostei d a reler :)

Esta música é tão linda não é?


beijocas


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:21
olá, Ninita.
curiosamente, comigo aconteceu o contrário :) também o li há uns bons anos (embora ele esteja ali na estante) mas esta foi a passagem que mais me marcou.
a música é lindíssima ;)
beijinhos.


De Bichana a 11 de Maio de 2009 às 12:00
Bom demais este excerto!
Bjnhos


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:21
é liiindo!
beijinhos.


De So Much More a 11 de Maio de 2009 às 13:12
Muito bom esse excerto! Fiquei curiosa em relação ao livro. :)


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:22
o livro é dos meus preferidos! aconselho vivamente ;)
beijinhos.


De Teresa Isabel Silva a 11 de Maio de 2009 às 13:18
um copo... exelente metafora... adorei o texto...
Sem duvida que quebrar um copo estariamos a quebrar os perconceitos com os comportamentos padronizados que temos incotidos....
Talvez um dia em também parat um copo para me libertar do pensamento que sou vulatil na sociedade que nos rege... Talvez se toda a gente partisse o seu copo fossemos pessoas melhor e não "politicamente correctas"
Exprimenta fazer uma viagem de comboio... Sentes-te livre...
Beijos


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:23
eu já parti o meu copo... parte o teu também :)
andar de comboio está há demasiado tempo na minha lista de coisas a fazer mas não me parece que vá acontecer :(
beijinhos.


De patypinheiro a 11 de Maio de 2009 às 14:40
Mas que bonito... gostei muito do excerto amiguinha...e já tinha saudades tuas... mas pronto não tenho conseguido fazer mais nada...a ver vamos se coloco tudo na normalidade!!!
Beijinho grande***
*Paty*


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:24
olá, miguinha.
eu também tenho saudades tuas e, para não variar, também não tenho tido muito tempo para os blogs :(
beijinhos.


De Tixa a 11 de Maio de 2009 às 14:55
olá Mafalda

isto fez-me lembrar quando eu estava a estagiar e diziam que eu tinha que partir os ovos, não no seu sentido literal, tinha era que mostrar serviço feito e mostrar que era capaz de mostrar rendimento...

"Procura entender que eu parti dentro de mim coisas muito mais importantes que um copo e estou feliz por isso." --> gostei especialmente desta frase :)

beijocas grandes e uma boa tarde :D


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:26
olá, Tixa.
:) bom exemplo que deste: partir ovos!
confesso que a parte que mais gostaste deste excerto é também a minha parte favorita :)
beijinhos.

ps. quando tiver um tempinho vou ao teu blog ler tudo e tudo e tudo ;)


De pingodemel a 12 de Maio de 2009 às 11:25
olá miguinha

...nao sou muito fã de paulo coelho mas há tres livros dele que adoro são : "veronica decide morrer" "brida" e este "na margem do rio piedra sentei e chorei" ...é dificil escolher entre seguir a vida com o seu amor e salvar a vida de quem sofre ... é preciso saber qual o peso da escolha :)

beijocas e adorei a parte que retiraste do livro, muito bem escolhida :)


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:27
olá, miguinha.
paulo coelho é o meu escritor favorito (não deve ser nada que já não saibas) mas este livro e, sem dúvida, o que destaco em toda a sua obra!
este excerto diz muito, passa uma daquelas mensagens que nos faz pensar.
beijinhos.


De Sorriso a 12 de Maio de 2009 às 18:23
Eu adorei este livro! É dos poucos que gosto de Paulo Coelho, sobretudo pela mensagem que passa.
O excerto que postaste está muito bem escolhido, obriga-nos a pensar, a reflectir em muita coisa... :)

Beijocas


De mafalda a 13 de Maio de 2009 às 22:28
olá, amiga.
é exactamente isso que penso deste livro e deste excerto em particular: tem uma boa mensagem e é passa uma daquelas mensagens que quase queremos adaptar à nossa vida.
beijinhos.


Comentar post

mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ao rapaz com olhos cor de...

saudades

revolta.............

o amor

isto da angelina jolie...

repete lá isso, faxa vor!...

vamos ao circo...

não há quem (n)os entenda

hoje é assim....

e já passou um ano...

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
visitas
free hit counter
blogs SAPO
subscrever feeds