Sábado, 22.03.08

 

 CHAMEM UM EXORCISTA, JÁ!!!

 

 

Nos últimos dias, as notícias foram invadidas pelo vídeo amador de um estudante que, ao que dizem, frequenta o nono ano. Não acredito que haja um única alma que não tenha visto o conteúdo deste vídeo. Mas, para quem anda a leste, eu passo a explicar:

 

Uma miúda foi apanhada pela professora, em plena sala de aula, com o telemóvel. A senhora professora resolveu tirar-lhe o aparelho e foi então que sentiu o "fatal poder das comunicações".

O "fatal poder das comunicações" é um poder muito restrito e só quem é digno o pode receber.

A miúda (penso que se chama Patrícia) recebe mensagens do "Poder Chefe" e tem de passar a palavra. Por sua vez, envia mensagens secretas a todos os "comunicatórios" com informações da nova missão. Quando a professora lhe retirou o telemóvel, o envio foi quebrado e isso é coisa que não pode nunca acontecer. Os demónios inimigos trataram de possuir o corpo da pobre rapariga. Quando ela dá conta do que está prestes a acontecer, grita como doida "DÁ-ME O TELEMÓVEL, JÁ!!!"  e não o largou por nada. Foi uma luta sem igual. O demónio inimigo (também conhecido de "Anti-Comunicatório") não desiste; é forte e bastante determinado.

A Patrícia (penso eu que se chama assim) lutou pela vida!

A Patrícia faz parte dos "escolhidos", ela tem uma missão e sabe que não pode falhar; então usa um dos seus poderes... Mas um poder que não é detectável, só uma observadora (como eu) poderia perceber como é que ela conseguiu não largar o telemóvel: os seus dedos lançaram a cola "contra profs enraivecidas" e a batalha foi ganha.

Quando eu frequentava o nono ano os telemóveis não eram muito comuns mas, uns anos mais tarde, também eu mandava mensagens nas salas de aula, também eu não vivia sem o "bichinho". Tenho pena de não ter sido uma das "escolhidas". E logo eu, que sempre tinha tanto cuidado para não ser apanhada... Nunca precisaria de utilizar os meus poderes secretos à frente de tanta gente!

Uns anos mais tarde, já os telemóveis eram velhos como as pedras da calçada, haviam outras coisas mais importantes.

Num exame de Psicossociologia, um colega meu pousou o maço de tabaco em cima da mesa, a senhora professora passou pela dita mesa e levou o maço com ela. O meu colega, que podia (e devia) ficar mais preocupado com o tabaco do que aquilo que a miúda ficou com o telemóvel, apenas disse : "Olhe que eu sei quantos cigarros estão ai dentro".

Assunto resolvido....

No final do exame a professora devolveu-lhe o maço e ninguém se chateou. Ele não teve de mostrar os seus poderes de "passa pra cá o isqueiro pois apetece-me fumar" e a professora não teve de andar à pancada com ninguém.

Voltando à Patrícia...

Ela sempre conseguiu ficar com o telemóvel e livrou-se do demónio que tanto luta para quebrar o envio de mensagens durante as aulas. Só espero que tenha aprendido a lição.

Tem cuidado Patrícia. Se continuares a fazer isso, daqui por uns anos vais desfazer maços e maços de tabaco. Olha lá que desperdicio... Depois só fumas tabaco de enrolar.

 

 

Deixo aqui uma palavra de solidariedada para a professora que, coitada, nunca pensou que pudesse haver uma guerra no mundo das comunicações. 

Estamos consigo... 


sinto-me com cafeína a mais

publicado por mafalda às 14:31 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Quinta-feira, 20.03.08

 

 

 

o Bill é o SunGoku dos tempos modernos

 

 

 

Estava a responder a um comentário da minha amiga "coisasdocoração " quando me passou pela cabeça uma daquelas revelações irresistíveis.

Tive uma visão, uma visão clara do Bill Kaulitz (para quem não sabe, é o vocalista dos Tokio Hotel) à frente de uma televisão a imitar o SunGoku .

Esta ideia de compará-lo ao herói de Dragon Ball não é minha mas faz todo o sentido.

Estes desenhos animados deram a volta à cabeça de muitos miúdos por este mundo fora.

Algumas crianças atiravam-se das janelas com a crença que sabiam voar, outras decidiram ser menos radicais mas, mesmo assim, recusaram-se a aceitar que o programa era fantasia.

Acredito que este último caso se encaixe naquilo que conheço do Bill .

Voltando à minha visão: o rapaz deveria ter uns sete/oito anos na época em que o  Dragon Ball se deu a conhecer e esta idade é muito crítica. É quando os miúdos decidem aquilo que querem ser quando forem grandes. Uns querem ser professores, outros querem ser médicos, alguns querem ser astronautas... Mas não o Bill !! O Bill quer ser o SunGoku , quer ser herói de banda desenha e, acima de tudo, quer ter o cabelo típico de quem é jovem mas que quer ser idoso (meio pintado de preto, meio pintado de branco).

O pequeno Bill não perdeu tempo e recrutou alguns membros para a tribo. Começou pelo irmão gémeo (?!) Tom e depois lá arranjou mais dois miúdos (Georg e Gustav), formando, assim, os "todos diferentes mas todos iguais".

Quem olha bem para estes quatro, não sabe por que ponta lhes pegar. Um é estranho demais ao ponto de quem o vê pela primeira vez não saber se é rapaz ou rapariga (Bill); outro (o irmão, Tom) parece ter complexos em mostrar a cabeça pois anda sempre de boné e lenço ao mesmo tempo (?!); um terceiro (Gustav) tem aquele ar de quem não sabe como foi ali parar; o quarto (Georg) parece uma ave rara caída do ramo de uma árvore ainda por descobrir.

São todos diferentes...

Mas iguais no que diz respeito à música.

Eu não sei se o estilo deles é mesmo esse ou se é algum golpe de marketing com o objectivo de fazer chegar a banda a pessoas de todas as ideologias.

O samurai Bill , na minha visão, anda pela casa a cantar "dragon ball procura os cristais (...)", "dragon ball z z z", e é então que os pais conhecem o seu talento para a música. Como o Tom não pode abandonar o irmão na cruzada de "parvear" (tornar parvas) milhares de miúdas, decide fazer alguma coisinha e vai aprender a tocar guitarra. Os outros dois, influenciados pelos companheiros de batalha, vão fazer de conta que tocam baixo (Georg ) e bateria (Gustav).

Com a experiência de anos e anos, temos hoje aquilo que são os Tokio Hotel".

Até o nome vem apoiar a minha teoria pois Tóquio é a capital do Japão e, segundo o que apurei, o Dragon Ball foi criado pelos japoneses. Já "Hotel" pode ser uma homenagem a todos os samurais que se andaram a atirar das janelas (os hóteis tem muitas janelas).

Esta teoria tem fundamentos e é baseada na realidade.

Eu "conheço" o Bill desde muito novo (talvez 11/12 anos) e ele já era assim... Estranho. Se bem que o cabelo estava muito mais curto e só de uma cor (preto).

 



publicado por mafalda às 14:14 | link do post | comentar | ver comentários (8)

mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

teorias da conspiração, p...

teorias da conspiração, p...

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
visitas
free hit counter
blogs SAPO
subscrever feeds