Terça-feira, 25 de Agosto de 2009

Lembram-se disto?

Pois é! Por momentos esqueci a minha estranha fobia (?!) de ler o livro depois de ter visto o filme e, num acto de loucura (lol), comecei a leitura.

A verdade é que ainda não acabei mas estou a adorar.

As histórias não são completamente iguais mas a essência está lá... Disto falamos depois.

O que venho hoje partilhar é a cena que, dentro do "drama", fez-me rir.

Acontece nas páginas 223-225 e relata a primeira vez que Ram Mohammad Thomas (Jamal Malik, no filme) vê o Taj Mahal e decide tornar-se guia ilegal para ganhar dinheiro.

 

A versão do guia oficial na primeira visita de Ram:

 

"Num dia do ano de 1607, o príncipe Khurram da casa real Mogol passeava-se no Meena Bazaar, de Deli, quando avistou uma rapariga que vendia sedas e contas de vidro numa pequena tenda. Ficou tão extasiado com a beleza dela que se apaixonou naquele instante. No entanto, teve de esperar cinco anos até poder finalmente desposá-la. A jovem chamava-se Arjuman Banu, mas ele deu-lhe o novo nome de Mumtaz Mahal. Ela tinha na altura dezanove anos e ele vinte. Mumtaz e Khurram casaram-se no ano de 1612 e nos dezoito anos que se seguiram tiveram catorze filhos. Inseparável do esposo, Mumtaz acompanhava-o em todas as suas viagens e expedições militares. Ela era a sua companheira e sua conselheira e incentivava-o a actos de caridade e benevolência para com os fracos e necessitados. Morreu de parto depois de Khurram ter ascendido ao trono mogol sob o nome de Imperador Shan Jahan. Foi no seu leito de morte que Mumtaz Mahal fez com que o imperador  lhe prometesse quatro coisas: primeira, que mandasse erigir um monumento digno da sua beleza; segunda, que não voltasse a casar; terceira, que fosse bom para os seus filhos; e quarta, que visitasse o túmulo no dia do aniversário da sua morte. A morte de Mumtaz deixou o imperador tão destroçado pela dor que se diz que o seu cabelo embranqueceu da noite para o dia."

 

Agora a versão imediata de Ram como guia (ilegal) de uma família japonesa:

 

"O Taj Mahal foi construído em 1531 pelo Imperador Khurram para a sua esposa Noor Jahan, também conhecida pelo nome de Mumtaz Begum. Conheceu-a quando ela vendia pulseiras num jardim e apaixonou-se por ela, mas só a desposou passados dezanove anos. Mais tarde, ela combateu ao lado dele em todas as batalhas que travou e deu-lhe dezoito filhos em catorze anos (...) Devem ter nascido alguns gémeos. Porém, ao dar à luz o décimo nono filho, Mumtaz morreu em Sultanpur, a dezasseis de Junho. Mas antes de morrer, fez quatro pedidos ao rei. Um, para construir o Taj Mahal, dois para não maltratar os filhos de ambos, três para pintar os cabelos de branco e quatro... Não me lembro, mas também não é importante."

 

E com tudo isto, até eu fiquei com vontade de visitar o Taj Mahal...

 

http://khedo.files.wordpress.com/2007/12/taj-mahal.jpg

(imagem retirada da internet)

 



publicado por mafalda às 10:05 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ao rapaz com olhos cor de...

saudades

revolta.............

o amor

isto da angelina jolie...

repete lá isso, faxa vor!...

vamos ao circo...

não há quem (n)os entenda

hoje é assim....

e já passou um ano...

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
blogs SAPO
subscrever feeds