Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

 

"O NOSSO MUNDO"

 

Quando ela acordou naquela manhã não tinha esperanças de ver a luz do dia; o que desejava era aquilo que há muito se tornara na sua rotina: deixar-se ficar na cama, cedendo aos caprichos do seu corpo doente.

Mas ela acordou naquela manhã e algo mudara…

Estava sozinha num quarto demasiado grande para a insignificância que se sentia ser.

Em cima de uma cadeira, daquela cadeira que sempre ali estivera, o seu robe repousava devidamente dobrado, foi então que ela reparou numa papel, um pequeno papel, que decorava a cadeira.

“Veste-me!”, estava escrito.

Com os pés quentes a pisarem o chão gelado, ela obedeceu à ordem escrita.

Ia voltar para a cama quando viu… Colada à porta com fita-cola, e quase a descolar-se, estava uma rosa e o respectivo bilhete:

“Segue-me!”

Ela saiu do quarto, agasalhada como quem vai entrar no branco da neve; o corredor, que sempre fora tão escuro, tinha o chão decorado com pétalas de rosa e lá longe, na maçaneta da porta principal, mais um bilhete se avizinhava.

“Abre-me!”

E ela abriu!

- Só mesmo tu! – disse.

Ele olhou para ela e sorriu com aquele sorriso capaz de derreter o maior dos icebergs.

- Pensei em tomarmos o pequeno-almoço fora de casa. – confessou.

- “Fora de casa” é cenário que me agrada!

Deram as mãos e caminharam rumo à floresta que começava a poucos metros de casa.

O vento não era forte mas corria uma brisa capaz de adivinhar o frio que em breve se faria sentir. As árvores agitavam-se como quem dança ao som de um silêncio que canta uma canção vinda algures do coração. Não se ouviam os passarinhos que por muitas vezes lhes fizeram companhia naqueles passeios, não se viam os pequenos animais que costumavam correr pelos arbustos que cresciam sem parar… Eles estavam completamente sozinhos… Não fosse a sombra que sobre eles pairava naquele dia.

 

- Como te tens sentido? – perguntou ele.

- Nada mudou!

- Nada?

- Nada!

- Temos pensar em…

“Temos de pensar em…” e ela deixou de ouvi-lo. Conhecia as palavras, Conhecia as suas ideias, era capaz de ler os seus pensamentos… Mas ela não queria pensar em nada. Acabou! Porque é que deveria lutar contra a corrente? O cancro venceu!

- Esquece! – disse ela, por fim, interrompendo o que para si fora um período de silêncio e onde ele tinha traçado cenários e planos de tratamentos e curas.

Ele respirou fundo! Nada mais poderia ser tão doloroso como a desistência… A desistência que o fazia sentir incapaz e inferior.

 

Chegaram.

A cabana, que tantas histórias tinha escutado, estava nas mesmas boas condições como há cinco anos atrás.

- Não acredito! – ela exclamou.

As pétalas de rosa cobriam o chão e alguns dos cobertores que por ele estavam espalhados. A bandeja com o pequeno-almoço figurava no canto mais próximo.

Ele sentiu uma súbita vontade de chorar… Ver aquela alegria era algo a que não estava habituado!

Mas ele tinha de ser forte! Forte pelos dois…

Comeram o pão com manteiga, beberam o sumo de laranja e o café quente, e deixaram-se estar por ali.

A chuva chegou de mãos dadas com o vento mas nada os poderia incomodar… Longe da grande casa e nos braços um do outro, nunca antes se sentiram tão em casa como naquela manhã.

Ela aproveitou o momento para reviver as histórias e os caminhos que os uniram; desde a escola até à separação quando foram para a Faculdade, do reencontro até aquele dia. Ela sempre se tinha sentido abençoada e nada do que lhe acontecera retirara essa ideia.

Ele pensava nos planos que fizera… Nas viagens que imaginara fazer com ela, nos lugares que queria conhecer e nos lugares que já conhecia mas que queria mostrar-lhe.

Ele sempre se pensara capaz de superar qualquer barreira mas tinha a certeza de que os tempos difíceis ainda estavam para vir.

 

Ela adormeceu nos seus braços enquanto que ele acariciava o cabelo que crescia a ritmo lento… Ela sempre tivera o cabelo comprido.

- Demasiado comprido! – queixava-se ela, de vem em quando, na brincadeira.

Mas agora o cabelo quase nem existia.

Ele deixou as lágrimas saírem, chorava sempre sem ela ver…

Ele tinha se ser forte! Forte pelos dois…

- Tiago? – ela chamou.

- Miriam? – ele respondeu.

- Promete-me que serás feliz.

Silêncio.

- Promete-me! – implorou-lhe. – Preciso ter alguma paz.

- Vamos para dentro?

- Não! Eu não vou a lado algum.

Ela não quis ser arrogante e, na verdade, não o foi. A sua voz soava fraca e docemente.

- Miriam!

- Promete-me! – pediu-lhe pela última vez.

Ele deixou de ser forte e chorou como nunca chorara antes.

- Prometo!

E ela sorriu.

- Mudaste o meu mundo – disse-lhe quase, quase inaudível. – Mudaste o meu mundo para muito melhor.

Ele continuava a chorar agarrado ao seu corpo…

Ela sorriu e deixou-se acolher pelos anjos.

 

- “O Nosso Mundo”? – perguntou alguém.

- Sim. – Tiago respondeu. – O mundo é nosso, vamos fazer alguma coisa por ele.

- Estás bem?

- Sim, Ricardo, estou óptimo.

- Faz hoje dois anos.

- Achas que há melhor forma de assinalar a data?

- Não, Tiago.

 

Notícia do dia seguinte:
“Tiago Santos, filho do conceituado Dr. Fonseca e Santos, inaugurou ontem aquela que será uma instituição de apoio a doentes com cancro. Lembrámos que Miriam Santos, esposa de Tiago, faleceu há dois anos vítima desta doença.
Sedeada naquela que antes fora a residência de Tiago e Miriam, e onde Miriam faleceu, “O Nosso Mundo” funcionará como última moradia para uns e como um começo de uma nova etapa para outros. Além disso, todas as semanas, os doentes irão receber visitas de crianças que frequentam as escolas do distrito e poderão contar a viagem que se faz quando se descobre ter cancro. Prevê-se que esta iniciativa ajude os mais jovens a compreender e a ver de outra forma a doença.” 
 
Tiago arrumou o jornal e sorriu com vontade pela primeira vez em muito tempo.
 
nota: texto de ficção criado por mim para a "Fábrica de Histórias"

 



publicado por mafalda às 09:50 | link do post | comentar

16 comentários:
De Sorriso ツ a 3 de Dezembro de 2008 às 11:58
Está muito bonita esta história... bonita mesmo! :)

Beijocas :)


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 20:44
obrigada, amiga.
beijocas.


De pingodemel a 3 de Dezembro de 2008 às 12:10
olá miguinha

...já te disse que tens muito jeito para isto "de escrever histórias" ... tens imaginação e escreves bem... parabéns...gostei muito

beijocas


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 20:44
olá, miguinha.
obrigada... deixas-me sem palavras.
beijinhos.


De Jo a 3 de Dezembro de 2008 às 12:40
adorei mana :) :) mesmo !
beijoca


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 20:44
obrigada, maninha.
beijocas.


De Bichana a 3 de Dezembro de 2008 às 15:36
És tão criativa miúda... parabéns!
Bjnhos


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 20:45
obrigada, madrinha linda!
beijinhos.


De Cloudy a 3 de Dezembro de 2008 às 18:13
Um ramo para uma lindíssima e tocante história!
Beijinhos


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 20:50
olá, Cloudy.
obrigada, vou guardar esse ramo com muito carinho :)
beijinhos.


De Em Fá Sustenido a 3 de Dezembro de 2008 às 20:57
Linda história de amor , ternura , amizade e acima de tudo , força.
Adorei . Juro que até chorei .

Beijinho *


De mafalda a 3 de Dezembro de 2008 às 21:49
oh amiga, obrigada!
também me escaparam umas lágrimazitas quando estava a escrever o texto ;)
beijinhos.


De sp a 6 de Dezembro de 2008 às 01:56
É sem duvida uma bonita história de amor, apesar de o final não ser feliz, mas o amor, o carinho, a amizade e uma nova esperança permanecerão sempre.
Gostei muito do texto
beijinhox


De sp a 6 de Dezembro de 2008 às 02:02
* qd digo que o final não foi feliz, é em relação á morte da miriam.. mas o final da historia é bonito... foi a forma que ele arranjou de ajudar pessoas que tal como a miriam precisam de ajuda,,,
Gostei mesmo do texto..


De mafalda a 6 de Dezembro de 2008 às 11:39
sim, eu percebi!
gosto muito deste tipo de história... o casal não tem de ficar junto para que haja um final feliz; apesar da Miriam ter morrido, o Tiago soube tirar o máximo partido da situação e, de alguma forma, encontrou um atenuante para a sua dor.
foi um final não muito infeliz...
estou muito contente por teres gostado, o teu texto também está muito bom!
beijinhos.


De mafalda a 6 de Dezembro de 2008 às 11:37
obrigada!
era mesma essa a mensagem que eu queria passar.
os percalços da vida servem para nos ensinar alguma coisa e para que possamos testar as nossas capacidades... o "Tiago" saiu-se bem :)
beijinhos.


Comentar post

mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ao rapaz com olhos cor de...

saudades

revolta.............

o amor

isto da angelina jolie...

repete lá isso, faxa vor!...

vamos ao circo...

não há quem (n)os entenda

hoje é assim....

e já passou um ano...

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
blogs SAPO
subscrever feeds