Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

(imagem retirada da internet)

 

Luzinhas de Natal

 

Era uma vez uma menina que todas as noites do mês de Dezembro se sentava numa pequena cadeira de madeira e ficava a admirar a rua. Com o seu casaco branco de lã e com um coelho de pelúcia na mão, a menina via as casas dos seus amigos cheias de luzes brilhantes de todas as cores; ela nunca tinha visto, mas sabia que dentro de cada uma dessas casas existia uma árvore enfeitada com bolas, bonecos, fitas de todas as cores e mais luzes que piscavam… Era a Árvore de Natal!

- Mãe, porque não temos uma árvore de Natal?

Mas a mãe estava demasiado ocupada a tratar do bebé.

- Pai, porque não temos árvore de Natal?

Mas o pai tinha adormecido em frente à lenha que crepitava na lareira.

Naquela noite, a menina sonhou que se encontrava numa floresta de árvores de Natal onde todas as cores do mundo se juntavam dentro de pequenas luzes e piscavam, cintilavam, ligavam e desligavam ao som de uma música que a menina não conhecia… Foi o seu melhor sonho!

De manhã, antes de sair de casa, a menina vestiu o seu casaco branco de lã e saiu para a rua; estava frio, estava sempre frio naquela altura do ano, e as luzes já não piscavam, apenas existiam fios verdes em volta dos alpendres e dos jardins.

- São estes fios que escondem as cores que eu vejo quando o sol vai dormir – disse a menina, baixinho.

 

O Natal passou, veio mais um ano… Mais um Natal que chegou.

Da janela da cozinha, sentada na mesa cadeira, com o mesmo casaco branco de lã e com o seu coelhinho de pelúcia, a menina via os seus amigos que ajudavam os pais naquela que parecia ser uma dura tarefa…

Fios para um lado, fios para o outro lado…

De repente todas as casas pareciam libertar magia e mais uma vez as luzes brilhantes que piscavam voltaram a acender.

- Porque não temos árvore de Natal?

A pergunta foi feita para o ar. A menina sabia que nunca ninguém lhe responderia a isso, ou então diziam “isso é coisa de rico” e coisas assim! Ela não compreendia…

 

Os anos foram passando e a menina cresceu!

Um dia, quando ela já era crescida, entrou numa loja e viu uma bonita estrela amarela; ficou encantada…

Ela gostou tanto, tanto, tanto mas tanto da estrela que não resistiu a pegar-lhe; viu de um lado, viu do outro, e achou-a perfeita!

- Posso ajudar? – perguntou-lhe uma empregada que se encontrava ali por perto.

- Não, não! Não se incomode! Eu gostei imenso desta estrela, acho que vou comprá-la.

- Faz muito bem! Quer saber o segredo que essa estrela guarda?

- Segredo? – perguntou a menina.

- Ora veja!

E a menina viu…

A empregada tirou um fio da caixa onde a estrela estava pousada, muito cuidadosamente ligou uma extremidade desse fio à estrela e a outra extremidade foi ligada a uma tomada de parede.

Como por magia, uma infindável e inexplicável magia, a estrela deixou de ser amarela e transformou-se numa mistura de cores que piscavam ora aqui, ora acolá.

A menina ficou incrédula!

- É bonita não é? Faz-me lembrar a aventura que era ajudar o meu pai a decorar a casa e a árvore de natal – confidenciou a empregada.

A menina estava enfeitiçada! Todas as cores que ela via da janela da sua pequena cozinha estavam ali, na sua estrela. Então não quis saber de preços, embora tivesse pouco dinheiro; não quis saber do facto de não ter uma árvore onde pousar a estrela… Finalmente, o mistério das luzes que piscavam seria seu!

De volta à sua casa, que já não era na mesma rua nem era dos seus pais, porque a menina já era crescida, ela recordou todos os natais que passava a perguntar-se por que motivo não poderia ter luzes que piscam e uma árvore enfeitada. Ela recordou todas as vezes que se sentava na cadeira com o seu coelhinho e, vestida com o mesmo casaco branco de lã, ficava a admirar a sua rua. Lembrara-se de todos os pormenores mas faltava uma coisa… Ela não sabia dizer ao certo quando deixou de acreditar na magia do Natal!

- Está decido! Este Natal vai ser diferente! – pensou.

Quando entrou na sua pequena casa, a primeira coisa que fez foi correr para o quarto e pegar na lata onde guardava o dinheiro que, a esforço, conseguia poupar; no dia seguinte voltou à mesma loja e comprou um pinheirinho solitário que só estava ali por ser tão desajeitado e pequeno… Todos os outros pinheiros, os grandes e bonitos, tinham esgotado num abrir e fechar de olhos, mas a menina não queria saber desses pormenores, ela apenas queria um pinheiro que pudesse enfeitar!

E assim foi… Depois do pinheirinho, vieram as fitas, as bolas e um pequeno emaranhado de fios decorados com imensas luzinhas.

O resultado final não poderia ser melhor! Finalmente a menina tinha a sua árvore e, sem esquecer, a estrela onde as cores todas do mundo dançavam e piscavam.

Nunca mas nunca mais, a menina deixou de festejar o Natal!

 

- Avó, conta mais! – pediu a criança que não parava de pular em cima da cama.

- Não, netinha! A história acaba aqui! Já são horas de dormir!

- Mas… Nem sequer me falaste dos presentes que a menina recebeu!

- Oh minha querida, naquele tempo os meninos não recebiam presentes como agora.

- Naquele tempo?

- Sim, pequenina! Vá, agora são horas de sonhar!

A criança deitou-se sem protestar e adormeceu assim que a avó lhe deu um carinhoso beijo no seu pequeno nariz.

A avó, que tinha sido menina, dirigiu-se ao seu quarto e tirou uma caixa que escondia debaixo da cama; fechou os olhos por momentos e abriu o pequeno tesouro… O seu casaco de lã já não era tão branco como fora outrora e o seu coelhinho de pelúcia sorria para ela.

 

nota: texto de ficção criado por mim para a "Fábrica de Histórias"

 



publicado por mafalda às 09:24 | link do post | comentar

6 comentários:
De magnolia a 12 de Dezembro de 2008 às 15:34
:)

O Natal deveria ser mágico para todas as crianças:) cehio de luzes e doces e presentes e coisas boas:)

Beijinhos


De mafalda a 14 de Dezembro de 2008 às 20:51
essa magia deveria contagiar os mais crescidos :)
beijinhos.


De Sorriso ツ a 12 de Dezembro de 2008 às 17:54
Uauau! Que história linda! Adorei amiga, adorei mesmo... é a magia do Natal! ;)

Beijinhos


De mafalda a 14 de Dezembro de 2008 às 20:52
obrigada! :)
beijinhos.


De Cloudy a 12 de Dezembro de 2008 às 19:23
Que linda história amiga! Até tenho pena de só a ter lido agora...Parece um sonho de Natal!
Beijinhos


De mafalda a 14 de Dezembro de 2008 às 20:52
olá, amiga.
obrigada pelo elogio... fico contente por saber que gostaste :)
beijinhos.


Comentar post

mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ao rapaz com olhos cor de...

saudades

revolta.............

o amor

isto da angelina jolie...

repete lá isso, faxa vor!...

vamos ao circo...

não há quem (n)os entenda

hoje é assim....

e já passou um ano...

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
blogs SAPO
subscrever feeds