Terça-feira, 03.03.09

Posso levar-te comigo?

Vou viajar com destino ao País do Amor

Bem dentro dos meus sonhos

Em cada um dos meus desejos

És tu o ocupante, meu passageiro

Rasgaremos juntos um céu com cor

Sim, já o sonhei

Podes vir comigo?

Vou viajar com destino ao País do Amor

Bem dentro da minha imaginação

Em cada uma das minhas vontades

És tu o ocupante, lado a lado

Descansaremos juntos num céu com cor

Sim, sonho-o todos os dias

Posso levar-te comigo?

 

Good Enough - Evanescence

Under your spell again
I can't say no to you
Crave my heart and it's bleeding in your hand
I can't say no to you

Shouldn't have let you torture me so sweetly
Now I can't let go of this dream
I can't breathe but I feel

Good enough
I feel good enough for you

Drink up sweet decadence
I can't say no to you
And I've completely lost myself and I don't mind
I can't say no to you

Shouldn't have let you conquer me completely
Now I can't let go of this dream
Can't believe that I feel

Good enough
I feel good enough
It's been such a long time coming, but I feel good

And I'm still waiting for the rain to fall
Pour real life down on me
Cause I can't hold on to anything that's good
Enough
Am I good enough
For you to love me too?

So take care what you ask of me
Cause I can't say no

 


música good enough-evanescence

publicado por mafalda às 09:09 | link do post | comentar | ver comentários (14)

Sexta-feira, 23.01.09

http://sitedepoesias.com.br/imagens/poemas/11981.jpg

(imagem retirada da internet)

 

O Segredo

 

Ele acabara de assistir ao jogo de futebol pela televisão e ainda estava sentado no sofá a dirigir o resultado final que não favorecia em nada a sua equipa! Subitamente deu-se conta do silêncio que o envolvia e questionou-se se ela já estaria a dormir. Percorreu o corredor com passos leves e abriu a porta do quarto, devagar.

Lá dentro, em cima da cama decorada com um lençol azul como o céu, ela adormecera agarrada a uma fotografia; ainda da porta, ele ficou a admirá-la... A camisa de noite branca que cobria metade das pernas, os joelhos ligeiramente dobrados, os pés, desprotegidos do frio, muito juntos, o cabelo que enfeitava as costas e caía sobre o rosto, as mãos sobre o peito...

Só quando chegou junto dela é que reparou na fotografia!

Não era novidade! Raros eram os dias em que ela não pegasse naquela fotografia onde ela e a prima sorriam para a câmara numa alegria genuína!

Com muito cuidado, agarrou numa ponta e tentou puxá-la mas ela abriu os olhos... Abriu os olhos e sorriu.

- Volta a dormir! - ele aconselhou. - Estava a tentar tirar a foto antes que se estrague.

- Toma! - disse ela enquanto estendeu a mão que segurava o retrato.

Ele pegou no precioso papel e voltou a olhar para o sorriso sincero da prima dela... Um arrepio percorreu-lhe a espinha! Era um arrepio que ele bem conhecia; era o mesmo arrepio que sentia sempre que olhava aquela imagem!

A expressão cerrada que ela agora tinha contrastava com os sorrisos retratados.

- Era como uma irmã para mim - ela disse. - A minha prima.

- Eu sei! Não penses nisso! Não te faz bem! - tentou ele acalmá-la enquanto se sentava na cama.

- É impossível não pensar nisso!

- Já passou tanto tempo!

- Cinco anos!

"Parece que foi ontem", ele pensou.

- É curioso! - ela exclamou.

- O quê?

- Um dos dias mais triste da minha vida foi, simultaneamente, um dos melhores dias! Se calhar é errado dizer isto mas... Foi assim que nós nos conhecemos... No funeral dela!

Ele limitou-se a acenar com a cabeça.

- Ela nunca me falou de ti! - ela continuou. - Era costume contar-me tudo mas nunca te mencionou.

- É natural! Não éramos propriamente amigos nem tão pouco éramos "conhecidos"! Tínhamos amigos em comum, apenas. Talvez tenhamos falado uma ou duas vezes, mais nada!

- E mesmo assim foste ao funeral dela! Muitos colegas da faculdade nem se deram ao trabalho de fazer um telefonema... Mas tu foste ao funeral.

- Ainda bem que o fiz! Afinal, foi lá que nos conhecemos!

Ela sorriu e ele, embora também tivesse sorrido, só lhe apetecia chorar.

Puxando os cobertores, ele disse:

- Agora dorme. Amanhã tens de acordar cedo!

Ela seguiu o conselho dele mas ele ficou a olhar para o tecto...

"Cinco anos!", pensou.

Quando fechou os olhos fez uma viagem ao passado e reviveu cada minuto daquela noite que acontecera há cinco anos.

 

Estava escuro e a estrada era mal iluminada mas ele sentia-se vivo! Estava completamente sozinho, tanto dentro do carro como fora dele, pois não avistava qualquer outro veículo. Cantava alegre as músicas que o cd tocava mas o cd chegara ao fim e ele não queria ouvir o mesmo, por isso esticou a mão até alcançar a mochila que ocupava o banco do passageiro e retirou uma caixa de um dos bolsos. A caixa, que tinha lá dentro um dos seus cd's preferidos, estava ligeiramente aberta, o que fez com que o cd salta-se e só parasse em cima do tapete. Ele pensou em baixar-se para apanhá-lo mas primeiro olhou para o sítio onde tinha de pousar a mão... Um movimento rápido...E fatal.

O som pesado de uma buzina fê-lo olhar de novo para a estrada e uns faróis luminosos vinham na sua direcção! Ele rodou o volante numa tentativa de voltar à sua faixa mas já era tarde.

O carro que vinha em sentido contrário saíra da estrada e passara por ele a uma velocidade incontrolável só parando na primeira árvore que apareceu.

O choque foi brutal! Passados cinco anos, ele ainda conseguia ouvir o estrondo!

Ele correu!

Correu para ajudar!

Correu para salvar!

Tudo o que encontrou foi uma rapariga na flor da idade que sangrava abundantemente pela boca... O airbag  fora incapaz de atenuar os estragos causados; o seu tórax estava esmagado e ela tivera morte imediata.

Ele ligou para o número de emergência e pediu ajuda.

Junto da rapariga morte ele aguardou pela chegada das autoridades a quem disse que ia a passar naquela estrada quando viu o automóvel já acidentado.

Houve uma investigação e a conclusão fora a que ele esperava: não haviam indícios da presença de outro veículo, ou outras pessoas, portanto, o acidente fora causado por distração ou por perda de controlo do veículo.

Ele estava ilibado!

Decidira ir ao funeral em cima da hora! O peso que transportava na consciência não deixava que os seus pensamentos fossem claros mas decidiu prestar-lhe uma última homenagem! Ele teria de ver o sofrimento dos familiares e amigos, ele teria de ver os rostos fechados, as lágrimas... E pensar: "fui eu!"!

No final da cerimónia, as pessoas saíam do cemitério umas atrás das outras mas uma rapariga teimava em manter-se junto da campa. Ele queria pedir desculpas à inocente que tinha morrido mas não podia fazê-lo enquanto ela ali estivesse.

Aos poucos o cemitério ficou vazio. Restava ele e ela...

Ela continuava a olhar para a campa com as lágrimas a cair-lhe pelo rosto sem qualquer esforço e ele já desistira de ficar ali.

Foi então que ela perguntou:

- É colega da faculdade?

Ele, mentindo, acenou afirmativamente. 

 

O braço dela pousou no corpo dele e fez com que as memórias do passado desaparecessem.

- Tenho um segredo! - ele confessou.

- Também eu! - respondeu ela, mais a dormir do que acordada. - Amo-te! Mas isso não é segredo!

E, sorrindo, adormeceu.

 

nota: texto de ficção criado por mim para a "Fábrica de Histórias"

 

 Hello - Evanescence

 

Playground school bell rings again
Rain clouds come to play again
Has no one told you she's not breathing?
Hello I'm your mind giving you someone to talk to
Hello

If I smile and don't believe
Soon I know I'll wake from this dream
Don't try to fix me I'm not broken
Hello I'm the lie living for you so you can hide
Don't cry

Suddenly I know I'm not sleeping
Hello I'm still here
All that's left of yesterday

 


música hello - evanescence

publicado por mafalda às 09:08 | link do post | comentar | ver comentários (16)

Quinta-feira, 15.01.09

Queria dizer-te tudo aquilo que sinto quando olho para ti e quando não estás aqui!

Mas as palavras esquecem-se do sentido que devem fazer...

E nada digo!

É uma espécie de tempestade que vai cá dentro!

Uma tempestade boa... Onde o calor aquece o vento.

O pensamento anda a mil à hora e eu fico como que parada no tempo!

Não sei!

Não conheço!

Não consigo explicar...

O bem que me fazes!

 

Bring Me To Life - Evanescence

How can you see into my eyes
like open doors
leading you down into my core
where I've become so numb?
Without a soul;
my spirit's sleeping somewhere cold,
until you find it there and lead it back home.

(Wake me up.)
Wake me up inside.
(I can't wake up.)
Wake me up inside.
(Save me. )
Call my name and save me from the dark.
(Wake me up. )
Bid my blood to run.
(I can't wake up. )
Before I come undone.
(Save me. )
Save me from the nothing I've become.

Now that I know what I'm without
you can't just leave me.
Breathe into me and make me real.
Bring me to life.

(Wake me up.)
Wake me up inside.
(I can't wake up.)
Wake me up inside.
(Save me. )
Call my name and save me from the dark.
(Wake me up. )
Bid my blood to run.
(I can't wake up. )
Before I come undone.
(Save me. )
Save me from the nothing I've become

Bring me to life.
I've been living a lie

There's nothing inside.
Bring me to life.

Frozen inside without your touch,
without your love, darling.
Only you are the life among the dead.

All of this time
I can't believe I couldn't see
Kept in the dark
but you were there in front of me
I've been sleeping a 1000 years it seems.
I've got to open my eyes to everything.
Without a thought
Without a voice
Without a soul
Don't let me die here

There must be something more.
Bring me to life.

(Wake me up.)
Wake me up inside.
(I can't wake up.)
Wake me up inside.
(Save me. )
Call my name and save me from the dark.
(Wake me up. )
Bid my blood to run.
(I can't wake up. )
Before I come undone.
(Save me. )
Save me from the nothing I've become.

Bring me to life.
I've been living a lie

There's nothing inside.
Bring me to life.

 


música bring me to life - evanescence

publicado por mafalda às 09:26 | link do post | comentar | ver comentários (12)

Quarta-feira, 17.12.08

(imagem retirada da internet)

 

Meia-Noite E Uma Visita
 
Ao longe os sinos tocaram
E do seu sonho ela acordou
Meia-noite os ponteiros mostravam
E não mais ela se deitou
 

Sozinha… Estava sozinha

No seu quarto e em todo o mundo

Naquela enorme cama fria

Na sua vida, no seu infortúnio

 

Da janela via a neve a cair

E as luzes que anunciavam o Natal

Mas ela não o queria sentir…

Era só mais uma época banal

 

Com passos leves e o cabelo apanhado

Deixou tudo para trás, deixou o quarto

Sem querer olhou e viu… O calendário

Era dia de magia, era dia vinte e quatro

 

Desceu as escadas, sem vontade

Degrau após degrau, com leveza

Iria ela a caminho da verdade?

Ou esbarraria na eterna incerteza?

 

Foi então que ouviu alguém dizer:

- Mostro-te o quanto estás errada!

O susto quase a fez desfalecer

Ficou com a respiração cortada

 

- Vem! Não tenhas medo

Não quero nem vou te magoar

Sou um simples mensageiro

Com uma palavra para te dar!

 

Ela estava parada, quieta, assustada

A sentir as batidas do seu coração

De onde viria aquela voz adocicada?

Do tecto, do canto, da parede, do chão?

 

Ela não o via, não sabia o que pensar

Estaria ela na sua cama a dormir?

Estaria a enlouquecer, estaria a sonhar?

Mas ela sabia que o estava a sentir.

 

Ela sabia que estava ali alguém

Não tinha dúvida quanto aquela presença

Como era possível? Não via ninguém!

Mas a voz… Na voz notou uma parecença

 

Uma estrela cadente passou; foi magia

E o brilho reflectiu o impossível de se ver

Ali naquela sala estava o homem da sua vida

O mesmo homem que dias antes vira morrer

 

O frio fugiu, foi o espanto que o escondeu

Veio uma nova esperança, chegou o calor

O desejo pelo abismo assim se perdeu

E o coração abriu-se, ofuscou-se a dor

 

- Não é possível! Não pode ser!

- Sou eu! Não tenhas medo de mim!

- Não! Devo estar a enlouquecer!

- Isto não tem de ser o teu fim!

 

O tempo parou! Já era dia vinte e cinco

Ela não acreditava no que estava acontecer

Mas sabia que havia algo de esquisito

Não poderia ser ele, ele deixara de viver!

 

- Sou eu! Dá-me a tua mão!

Ele pediu e ela obedeceu

Sentiu o toque no seu coração

E o mundo estremeceu

 

Sim, era ele que a olhava

Era ele que agora sorria

Ela apenas chorava

Ela por ele morreria

 

A neve caía, caía sem parar

O relógio contava o tempo

Palavras e lágrimas no ar

À volta de um grande tormento

 

Ela não sabia o que dizer

Era impossível ele estar à sua frente

Mas ele olhava para ela sem sofrer

Seria a morte o seu presente?

 

Juntos lembraram um acidente

Um acidente que fora fatal

Um acidente que a deixou descrente

Um acidente a poucos dias do Natal

 

E agora ela vivia na esperança de partir

No seu mundo mais nada faria sentido

Ele morreu e ela quis morrer a seguir

Na sua vida o amor ficara perdido

 

Mas ele estava mesmo ali, ela sem acreditar

Ele dava-lhe palavras de incentivo

Ela não queria nada daquilo escutar

Mas ele não se cansou, foi exaustivo

 

- Tens de aceitar, tens de compreender!

Ele disse mas ela não queria…

- Sem ti? Eu sem ti não sei viver!

Ela respondeu e ele sorria…

 

- Ouve, meu anjo, não te irei abandonar

Eu sou apenas mais uma estrela

Uma estrela que te vai iluminar

Sempre que te sentires pequena

 

- Mas tu foste e eu fiquei

Eu fiquei aqui sozinha

Quase que sufoquei

Como posso perdoar a vida?

 

- És forte! Eu sei! Eu conheço-te!

E eu estarei sempre contigo

Quando quiseres adormeço-te

E nos meus braços levo-te comigo

 

- E quando eu acordar?

- Será um novo dia!

- Comigo tu vais estar?

- Nunca te deixarei sozinha!

 

Mais uma lágrima que ela deixou cair

Mais uma dor que saiu do seu coração

Ela queria acreditar no que estava a ouvir

Queria acreditar com toda a devoção

 

Ele estendeu os braços para a abraçar

E ela caminhou para ele com determinação

Um trovão fez a electricidade falhar

Deixou de o ver, desaparecera na escuridão

 

As luzes voltaram a fazer-lhe companhia

Aquela sala nunca lhe parecera tão enorme

Estava de novo num cenário sozinha

Mas lembrava-se das palavras… Ela era forte

 

Olhou para a árvore enfeitada

A árvore que estava esquecida

E viu uma caixa embrulhada

Uma caixa que ela não conhecia

 

Desembrulhou com cuidado

Desembrulhou apavorada

E qual não foi o seu espanto

Ao ver o que a caixa guardava

 

Um lindo anel brilhava intensamente

A fazer-lhe companhia estava um cartão:

“Olá, meu anjo, não esqueci o teu presente

Estás sempre comigo e eu estou no teu coração

 

Por isso vive alegre, vive sem sofrer

Vive, meu anjo, eu continuo a te amar”

Ela colocou o anel e sentiu-se a viver

E abriu os braços ao que a vida tinha para dar.

 

nota: texto de ficção criado por mim para a "Fábrica de Histórias"; não era suposto ser escrito em quadras.

 

Breathe No More - Evanescence

 

I've been looking in the mirror for so long,

That I've come to believe my soul's on the other side.

All the little pieces falling, shattered.

Shards of me too sharp to put back together.

Too small to matter,

But big enough to cut me in to so many little pieces if I try to touch her.

 

And I bleed. I bleed.

And I breathe. I breathe, no more

 

I take a breath and I try to draw from my spirits well.

Yet again you refuse to drink like a stubborn child.

Lie to me convince me that I've been sick forever.

And all of this will make sense when I get better.

But I know the difference between myself and my reflection.

I just can't help but to wonder which of us do you love.

 

So I bleed. I bleed.

And I breathe.

I breathe no,

Bleed. I bleed.

And I breathe. I breathe. I breathe. I breathe, no more.

 


música breathe no more - evanescence

publicado por mafalda às 23:14 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Domingo, 09.11.08

Embora já tenha respondido a este desafio (está aqui), voltei a ser desafiada pela taniam.

Como todos já devem saber, as regras deste desafio passam por colocar uma foto (coisa que, como já expliquei, não consigo), escolhar uma banda/artista, responder às questões somente com títulos de músicas da nossa anterior escolha e, finalmente, passar o desafio a quatro pessoas.

Da primeira vez escolhi Guano Apes, agora escolho Evanescence mas não me vou limitar apenas a escrever os títulos das músicas, vou, também, retirar um excerto de cada uma delas para que a escolha seja justificada.

 

- és homem ou mulher?

 

"Snow White Queen"

 

You belong to me
my snow white queen
there's nowhere to run, so lets just get it over
soon I know you'll see
you're just like me
don't scream anymore my love, cause all I want is you

 

 

- descreve-te

 

"All That I'm Living For"

 

I can feel the night beginning
separate me from the living
understanding me
after all I've seen
piecing every thought together
find the words to make me better
if I only knew how to pull myself apart

 

"Lithium"

 

Don't want to let it lay me down this time
drown my will to fly
here in the darkness I know myself
can't break free until I let it go
let me go

 

 

- o que as pessoas acham de ti?

 

"The Only One"

 

So afraid to open your eyes- hypnotized
You know you're not the only one
Never understood this life
And you're right

I don't deserve but you know I'm not the only one

 

 

- como descreves o teu último relacionamento?

 

"Lacrymosa"

 

To let you blame it on me
and set your guilt free
I don't want to hold you back now love
I can't change who I am
not this time, I won't lie to keep you near me
and in this short life,
there's no time to waste on giving up
my love was't enough

 

 

- descreve o actual estado da tua relação com o teu namorado ou pretendente

 

"Bring Me to Life"

 

Now that I know what I'm without
you can't just leave me.
Breathe into me and make me real.
Bring me to life.
(...)

Frozen inside without your touch,
without your love, darling.
Only you are the life among the dead

 

 

- onde querias estar agora?

 

"Your Star"

 

I can't see your star
I can't see your star
though I patiently waited, bedside, for the death of today
I can't see your star
the mechanical lights of Lisbon frightened it away

 

 

- o que pensas a respeito do amor?

 

"Angel Of Mine"

 

After all these years, one thing is true
Constant force within, my heart is you
You touch me, I feel I'm moving into you
I treasure every day I spend with you
All the things I am come down to you
Angel of mine
Let me thank you
You have saved me time and time again

Angel, I must confess
It's you that always gives me strength
And I don't know where I'd be without you
 

 

- como é a tua vida?

 

"Imaginary"

 

in my field of paper flowers
and candy clouds of lullaby
i lie inside myself for hours
and watch my purple sky fly over me
swallowed up in the sound of my screaming
cannot cease for the fear of silent nights
oh how i long for the deep sleep dreaming
the goddess of imaginary light

 

- o que pedirias se pudesses ter só um desejo?

 

"You"

 

When we're together I feel perfect
When I'm pulled away from you I fall apart
All that you say is sacred to me
(...)

You know I'd die just to hold you, stay with you
Somehow I'll show you that you are my night sky
I've always been right behind you
Now I'll always be right beside you
So many nights I've cried myself to sleep
Now that you love me I love myself
I never thought I would say that
I never thought there'd be you

 

- escreve uma frase sábia

 

"Missing"

 

Please, please forgive me,
But I won't be home again.
Maybe someday you'll look up,
And, barely conscious, you'll say to no one:
"Isn't something missing?"

 

 

- agora devo passar o desafio a quatro pessoas mas, como já todos devem ter respondido, vou pássa-lo à Paty.

 



publicado por mafalda às 11:19 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Segunda-feira, 26.05.08

 

Estou lançada....

Isto é desafio atrás de desafio....

 

Depois dos resultados da "Parte I",

Depois de recordar a "Parte II" (ainda em continuidade),

Lanço a "Parte III".

 

O desafio de hoje consiste em ouvir três músicas (e ler as respectivas letras) de uma só banda e eleger a preferida.

 

As três músicas pertencem a três álbuns e, como referi, ao mesmo grupo: Evanescence! (quem não gosta?)

 

 

 

Tema: My Immortal

Álbum: Fallen

 

 

 

I'm so tired of being here

Supressed by all of my childish fears

And if you have to leave

I wish that you would just leave

'Cause your presence still lingers here

And it won't leave me alone

 

These wounds won't seem to heal

This pain is just too real

There's just too much that time cannot erase

 

When you cried I'd wipe away all of your tears

When you scream I'd fight away all of your fears

And I've held you hand through all of these years

But you still have all of me

 

You used to captivate me by your resonating light

But now I'm bound by the life you left behind

Your face it haunts my once pleasant dreams

Your voice it chased away all the sanity in me

 

These wounds won't seem to heal

This pain is just too real

There's just too much that time cannot erase

 

When you cried I'd wipe away all of your tears

When you scream I'd fight away all of your fears

And I've held you hand through all of these years

But you still have all of me

 

I've tried so hard to tell myself that you're gone

But though you're still with me

I've been alone all along

 

When you cried I'd wipe away all of your tears

When you scream I'd fight away all of your fears

And I've held you hand through all of these years

But you still have all of me

All of me

 

 

 

Tema: Missing

Álbum: Anywhere But Home

(não tem vídeo oficial)

 

 

 

Please, please forgive me

But I won't be home again

Maybe someday you'll look up

And, barely conscious, you'll say to no one:

"Isn't something missing?"

 

You won't cry for my absence, I know

You forgot me long ago

Am I that unimportant?

Am I so insignificant?

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't someone missing me?

 

Please, please forgive me

But I won't be home again

I know what you do to yourself

I breathe deep and cry out

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't someone missing me?

 

And if I bleed, I'll bleed

Knowing you don't care

And if I sleep just to dream of you

I'll wake without you there

Isn't something missing?

Isn't something...

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 

 

Tema: Lithium

Álbum: The Open Door

 

 

 

Lithium

Don't want to lock me up inside

Lithium

Don't want to forget how it feels without

Lithium

I want to stay in love with my sorrow

Oh, but God

I want to let it go

 

Come to bed, don't make me sleep alone

Couldn't hide the emptiness you let it show

Never wanted it to be so cold

Just didn't drink enough to say you love me

 

I can't hold on to me

Wonder what's wrong with me

 

Lithium

Don't want to lock me up inside

Lithium

Don't want to forget how it feels without

Lithium

I want to stay in love with my sorrow

 

Don't want to let it lay me down this time

Drown my will to fly

Here in the darkness I know myself

Can't break free until I let it go

Let me go

 

Darling, I forgive you after all

Anything is better than to be alone

And in the end I guess I had to fall

Always find my place among the ashes

 

I can't hold on to me

Wonder what's wrong with me

 

Lithium

Don't want to lock me up inside

Lithium

Don't want to forget how it feels without

Lithium

I want to stay in love with you

Oh, I'm gonna let it go

 



publicado por mafalda às 15:38 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Domingo, 20.04.08

 

Tudo começou com "A Walk To Remember "...

Segui-se "O Pequeno Rei Mário" e "O Teu Nome Escrito Com Arroz".

Não foram planeados... Estes textos.

Mas aqui está:

 

Dizem que a palavra "saudade" é exclusiva da língua portuguesa...

Dizem que não há tradução possível.

É como o significado que a própria palavra tem...

Que significado lhe darias?

Eu dou-lhe os meus sentimentos.

"Saudade" é o que sinto mas que não sei explicar.

Se me obrigasses a definir a palavra "saudade" eu diria:
 

- É derramar lágrimas sempre que penso em ti.

 

Tenho saudades tuas.

 

Ou seja, penso em ti a toda a hora, sonho contigo nos trinta minutos que consigo dormir seguidos, espero encontrar-te sempre que ponho os pés fora desta casa...

Destas paredes.

Muralhas...

Muro das lamentações!

 

Por vezes ligo o rádio e digo para mim mesma que é a solução para ter uns minutos de descanso, mas é então que uma palavra, uma frase, uma melodia, traz-te de volta  mim.

Ligo a televisão. Tenho a certeza de que aquele filme será capaz de me envolver, de me afastar do meu mundo, mas aquele actor, nem sei o nome, é tão parecido contigo.

Tão parecido e tão diferente...

Espera! Já sei!
 

Os olhos... Os olhos dele são os teus.

Aquela expressão... Já te vi assim.

 

Encontro-te nos locais mais improváveis.

Encontro-te sem te encontrar... Pois não estás comigo.

Encontro-te sem te perder... Pois não cheguei a largar-te.

 

Fazes-me acreditar em anjos.

Pequenos anjos que descem à Terra com mensagens de esperança.

Fizeste de mim uma eterna criança.

Era criança quando te conheci e continuo a sê-lo pois ainda acredito no "Final Feliz".

Era assim que eu pensava que iríamos acabar:
 

 Sem acabar!

 

Tenho saudades tuas!

 

Se estivesse aqui, tudo o que ouvirias seria:
 

- Tenho

E as minhas lágrimas dir-te-iam o resto.

 

Ontem foi sábado.

Encontrávamo-nos sempre aos sábados... Lembras-te?

Parece que foi há tanto tempo!

Ontem foi sábado mas, no fundo, não quis encontrar-te.

Não quero ter de olhar para ti e dizer um simples olá, dois beijinhos, e a vida continua... Ou então estar com essa ideia (a de te encontrar) e não conseguir fazê-lo.

São coisas que me levam a parar.

Quero ver-te mas não quero ver-te.

Quero falar-te mas não quero falar-te.

Quero mas não quero.

Apenas quero que saibas que em nada mudaram os meus sentimentos mas não quero ser eu a indicar-te este caminho.

 

Sempre te vi acima das outras pessoas.

Tu próprio disseste que nem tu eras capaz de te ver em tão alta consideração.

Esses dias...

Eram dias de pura inspiração.

Tenho um caderno com cada um dos textos que me levaste a escrever. Um caderno, folha a folha, todo escrito...

Espero, um dia, oferecer-to.

 

Hoje, enquanto escrevo, não estou em frente ao computador. Estou à janela; aquela janela de onde vejo a montanha tocar no céu, lá longe... Quase tão longe como tu estás de mim.

Foi este céu que te deixou cair?
 

Foi naquela montanha que aterraste?

Já lá estivemos... Na montanha.

Há quanto tempo?

Não sei o "antes", não sei o "depois".

Mas sei que foi lá que dividimos o nosso primeiro cigarro.

Quantos se seguiram?

Hoje tudo é diferente...

Tu não fumas, eu não fumo, tu não pensas em mim e eu...

Eu continuo sem saber viver sem ti.

 

Ontem foi sábado...

Sabes o que estive a fazer?

Estive a ver o segundo e o terceiro filmes de "Os Piratas das Caraíbas".

E vi-os sem deixar de pensar em ti.

Um dia, estavas chateado, estavas indignado... Tudo porque o Marlon Brandon disse, numa entrevista, que considerava o Johnny Depp o melhor actor de todos os tempos.

Achei-te uma piada! (mais do que aquela que já achava)

- O Johnny Depp!

Dizias, incrédulo.

Sim, porque, para ti, o melhor actor é o Al Pacino.

 

É assim...

É sempre assim...

Passamos por tanta coisa, por tantos locais... Tantos momentos! Que me é impossível não pensar em ti a toda a hora, na mínima coisa, no mais pequeno dos pormenores.

 

Estás em tudo.

 

Ainda mais estás no meu coração.

 

E, eu, que tantas saudades tenho, ando a divagar por recordações.

Por memórias que, talvez, já nem te lembres.

- Isto aconteceu?

Poderás perguntar.

E eu digo que sim. Aconteceu e marcou-me ao ponto de eu não conseguir esquecer.

Como aquele dia, tão normal, em que eu ia a caminho da aula de Português e disse a elas:

- Vão vocês.

E voltei para trás só para estar contigo mais uns minutos.

- A tua aula?

Perguntaste.

E eu respondi com outra pergunta:

- Que interesse tem "Frei Luís de Sousa"?

E ali ficámos, cinquenta minutos, sentados no chão, a falar não sei do quê, sobre não sei o quê...

Ou como naquela aula teórica de Educação Física (que parvoíce!) em que ninguém ligava ao que o professor dizia...

Tu escrevias e desenhavas na capa do meu caderno preto (ainda hoje o guardo) e, por vezes, trocavamos ideias sobre música (sempre a música). Chegamos mesmo a cantar algumas... Muito baixinho.

 

- Isto aconteceu?

Podes perguntar.

E eu dar-te-ei todas as certezas.

 

Tenho tantas saudades tuas...

 

 

Escolhi uma música.

Lembras-te quando eu te dizia: "Hoje dedico-te..." e escolhia uma música?

Pois hoje escolhi palavras e sons que me fazem chorar sempre que as ouço.

Para ti:

 

Missing - Evanescence

 

 

Please, please forgive me

But I won't be home again

Maybe someday you'll look up

And, barely conscious, you'll say to no one:

"Isn't something missing?"

 

You won't cry for my absence, I know

You forgot me long ago

Am I that unimportant?

Am I so insignificant?

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't someone missing me?

 

Please, please forgive me

But I won't be home again

I know what you do to yourself

I breathe deep and cry out

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't someone missing me?

 

And if I bleed, I'll bleed

Knowing you don't care

And if I sleep just to dream of you

I'll wake without you there

Isn't something missing?

Isn't something...

 

Even though I'm the sacrifice

You won't try for me, not now

Though I die to know you loved me

I'm all alone

Isn't something missing?

Isn't someone missing me?

 


música missing - evanescence

publicado por mafalda às 13:16 | link do post | comentar | ver comentários (14)

Sexta-feira, 15.02.08

 

How can you see into my eyes like opeen door

Leading you down into my core

Where I've become so numb without a soul

My spirit sleeping somewhere cold

Until you find me there and lead it back home

Wake me up  inside

Call my name and save me from the dark

Bid my blood to run before I come undone

Save me from the nothing I've become

Now that I know what I'm without you

You can't just leave me

Breath into me and make me real

Bring me to life

Wake me up inside

Call my name and save me from the dark

Bid my blood to run before I come undone

Save me from the nothing I've become

Bring me to life

Frozen inside without your touch, without your love

Darling only you are the life among the dead

All this time I can't believe, I couldn't see

Kept in the dark but you were there in front of me

I've been sleeping a thousand years it seems

Got to open my eyes to everything

Without a tought, without a voice, without a soul

Don't let me die here, there must be something more

Bring me to life

Wake me up inside

Call my name and save me from the dark

Bid my blood to run before I come undone

Save me from the nothing I've become

Bring me to life

 


sinto-me
música bring me to life - evanescence

publicado por mafalda às 16:02 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.02.08

Vou partilhar mais uma música da minha vida, mais uma faixa da minha banda sonora. Confesso que gosto mais da versão dos evanescence mas, na verdade, o que mais me toca é a letra e, isso, é da autoria de outra grande banda: korn . Pois é! Isto até que pode andar a rondar a violência mas quem é que nunca teve vontade de mandar tudo pelo ar e/ou dar uns berros? A mim acontece-me muito. Então hoje fica thoughtless como música do dia.

 

 

Thoughtless - Korn

Going through the pages of my fantasies

Pushing all the mercy down , down , down

I wanna see you try to take a swing at me

Come on , gonna put you on the ground , ground , ground

Why are you trying to make fun   of me?

You think it's funny ?

What the fuck you think it's doing to me?

You take   your turn lashing out at me

I want you crying when you 're dirt in the front of me

All of my hate cannot be found

I will not be drowned by your thoughtless scheming

So you can try to tear me down

Beat me into the ground

I will see   you screaming

Come and fill the pages of my fantasies

I'm above you , smiling   at you , drown , drown , drown

I wanna kill and rape you the way you rapped me

And I'll pull the trigger and you 're down , down , down

Why are you trying to make fun of me?

You think it's funny ?

What the fuck you think it's doing to me?

You take your turn lashing out of me

I want you crying when you 're dirt in the front of me

All of my hate cannot be found

I will not be drowned by your thoughtless scheming

So you can try to tear me down

Beat me into the ground

I will see you screaming

All my friends are gone , they died

Gonna take you down )

They all screamed and cried

Gonna take you down )

I got my monkey

Got my monkey back against the wall

Gonna take you down

All of my hate cannot be found

I will not be drowned by your thoughtless scheming  

So you can try to tear me down

Beat me into the ground

I will see you screaming  

 

Quem nunca se sentiu assim?

 


sinto-me de bem com a vida
música thoughtless - korn

publicado por mafalda às 15:19 | link do post | comentar

Segunda-feira, 11.02.08

O peso do corpo é tão fácil de descansar, é tão simples de libertar. Quem me dera que a consciência fosse leve e que o coração não tivesse vontade própria. Os dias correm sem que alguém os contem, as noites passam umas atrás das outras, sem parar, e as estrelas perdem-se em mil desejos esquecidos no tempo. O desgosto não tem fim. O amor é tão complicado! Não sei onde deixei a vida mas sei que a deixei há tempo demais; alguém ma tirou. Quem me dera poder calar os sons do  mundo e descansar num silêncio onde o meu coração não bata. Preciso tanto do teu ar, preciso tanto da tua luz! O peso do corpo não pesa como a consciência. O peso do corpo não pesa como a dor. Quem me dera poder olhar para trás e ter a certeza de que te esqueci.

 

 

 

My Immortal - Evanescense

I'm so tired of being here

Suppressed by all of my childish fears

And if you have to leave

I wish that you would just leave

Because your presence still lingers here

And it won't leave me alone

These wounds won't seem to heal

This pain is just too real

There's just too much that time cannot erase

When you cried I'd wipe away all of your tears

When you'd scream I'd fight away all of your fears

And I've held your hand through all of these years

But you still have all of me

You used to captivate me by your resonating light

But now I'm bound by the life you left behind

Your face it haunts my once pleasant dreams

Your voice it chased away all the sanity in me

These wounds won't seem to heal

This pain is just too real

There's just too much that time cannot erase

When you cried I'd wipe away all of your tears

When you'd scream I'd fight away all of your fears

And I've held your hand through all of these years

But you still have all of me

I've tried so hard to tell myself that you're gone

And though you're still with me

I've been alone all along

When you cried I've wipe away all of your tears

When you'd scream I'd fight away all of your fears

And I've held your hand through all of these years

But you still have all of me

 


sinto-me tão sozinha
música my immortal - evanescence

publicado por mafalda às 17:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

viagem ao País do Amor

o segredo ("Fábrica de Hi...

o bem que me fazes

meia-noite e uma visita (...

de novo... o novo desafio

música para os meus ouvid...

missing...

bring me to life - evanes...

korn/evanescence

de consciência pesada

arquivos

Julho 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2015

Junho 2013

Maio 2013

Dezembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

"se"

2009

21 gramas

3 doors down

30 rock

30 seconds to mars

a arte de comer oreo's

a família addams

a importância de ter um blog

a walk to remember

adam gontier

adam lambert

adele

aerosmith

akon

alesha dixon

alison moyet

amanhecer

apocalyptica

ascenção e queda

audioslave

avril lavigne

bandas sonoras

barack obama

bella morte

bella swan

beyoncé

birthday

bjork

bombons chineses

chris brown

coisa de miúdos

coldplay

crepúsculo

dancing the dream

de cor e salteado

de mim para vocês

desafios

dido

doce novembro

eclipse

edward cullen

entre a morte e a vida

evanescence

fábrica de histórias

filipa

fingertips

futebol

guano apes

guns n' roses

haja paciência

him

inxs

james morrison

jared leto

joana

katie melua

lamb

lidia

linkin park

livro do desassossego

lua nova

lua nova trailler

maria fátima soares

meu blog na revista brasileira de música

mian mian

michael jackson

muse

música para os meus ouvidos

natal

natalie imbruglia

ne-yo

nelly furtado

nós

o estranho caso de benjamin button

o principezinho

o que aqui revelo é para ficar entre nós

pablo neruda

paulo coelho

pearl jam

pedro khima

pérolas

pink

placebo

que surpresa tão linda

quem quer ser bilionário

rilke

rita redshoes

saint-exupéry

seal

simple plan

stephenie meyer

system of a down

teorias da conspiração

the rasmus

tokio hotel

último post

vikas swarup

whitney houston

within temptation

todas as tags

favoritos

Quero-te

Insónia

É À NOITE

Esfera

Palavras

ESSES TEUS CINCO SENTIDOS...

É

Porque não pára o tempo?

Confiança

Alma

links
blogs SAPO
subscrever feeds